Modelo de acompanhamento nutricional

 

Meu acompanhamento em nutrição é baseado no processo de modelagem do comportamento alimentar. Este processo altera o padrão comportamental de maneira a diminuir o conflito do indivíduo com o alimento.

 

Todo o processo é estruturado em técnicas de modelagem comportamental em nutrição. A modelagem alimentar é orientada a ser possível à pessoa aprender o novo modelo de alimentação sem dificuldade.

 

O processo de modelagem comportamental em nutrição é dividido em fases:

 

Nutricional-Frutas-Verduras-Estetoscópio

1. Primeira fase ou fase de coleta de informações e vícios comportamentais.

2. Segunda fase ou fase da estruturação do comportamento alimentar social.

3. Terceira fase ou fase de desestruturação da alimentação convencional.

4. Quarta fase ou fase da competência nutricional.

 

A modelagem comportamental surgiu com um estudioso chamado Skinner. Este cientista documentou uma maneira de observar o comportamento para formular modelos explicativos e que pudessem ser replicados.

 

Robert Dilts define o assunto da seguinte maneira:

 

“Modelagem do comportamento envolve a observação e o mapeamento dos processos bem-sucedidos que formam a base de algum desempenho excepcional. É um processo de tomar um evento complexo e dividi-lo em pequenos segmentos suficientes para recapitulado de alguma maneira. O propósito da modelagem comportamental é criar um mapa pragmático ou ‘modelo’ deste comportamento que pode ser usado para reproduzir ou simular algum aspecto deste desempenho por qualquer um que esteja motivado a fazer isso. O objetivo do processo de modelagem do comportamento é identificar os elementos essenciais de pensamento e de ação exigidos para produzir a reação ou resultado desejado. Em oposição ao fornecimento de dados puramente correlatos ou estatísticos, o ‘modelo’ de um comportamento particular precisa fornecer uma descrição do que é necessário para realmente alcançar um resultado similar”.

 

Primeira Fase

 

Nesse momento são coletadas informações fisiológicas como velocidade metabólica, Capacidade de treinamento físico, percentuais de gordura e músculo etc, assim como, será realizada avaliação nutricional, homeopática, cinestésica e bioenergética do indivíduo.

 

Neste momento será fornecido esquema alimentar e ortomolecular para adequação bioquímica e nutricional.

 

Segunda fase

 

De acordo com o resultado encontrado na avaliação da primeira etapa será proposto esquema para a continuidade do processo de alteração do comportamento alimentar em diferentes níveis sociais e estipulação das primeiras competências para a fixação do modelo comportamental. Também serão avaliadas possíveis variáveis que possam influenciar negativamente no resultado corporal como intoxicações, intolerâncias e alergias alimentares ou deficiências nutricionais.

 

Terceira etapa

 

Já fixado os comportamentos desejados serão propostas alterações ainda mais profundas tanto no condicionamento alimentar como na própria dieta. Nessa etapa são reavaliadas alergias alimentares, intoxicações e alterações bioquímicas.

 

Quarta Etapa

 

Já consciente dos benefícios advindos da alteração do comportamento alimentar é nessa fase que se ancora a competência por meio de técnicas específicas de competências para que haja a manutenção e correções comportamentais ao longo do tempo.